A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a PrEP pode ser priorizada para populações de maior risco como homens que fazem sexo com homens (HSH), usuários de drogas injetáveis (UDI) e profissionais do sexo, e àqueles em risco de transmissão sexual em áreas com transmissão endêmica ou hiperendêmica do HIV.

Em dezembro de 2011, a empresa biofarmacêutica norte-americana Gilead Sciences apresentou ao Food and Drugs Administration (FDA, EUA) o pedido de registro do Truvada® uma vez ao dia para a profilaxia pré-exposição ao HIV em adultos não infectados. Em julho de 2012 essa agência regulatória concedeu a aprovação.

Os Centros de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos publicou em 14 de maio de 2014 as “Diretrizes Clínicas para o uso de PrEP”. Em relação à transmissão sexual, o Guia do CDCrecomenda a PrEP para pessoas HIV negativas com alto risco de contrair o HIV, como por exemplo:

1. Qualquer pessoa num relacionamento fixo com um parceiro HIV positivo.n-CENTERS-FOR-DISEASE-CONTROL-AND-PREVENTION-large570

2. Qualquer pessoa que NÃO esteja numa relação monogâmica com um parceiro com resultado negativo para HIV recente e é:

a. homens que fazem sexo com homens (HSH) ou bissexuais que teveram pelo menos uma relação anal sem preservativo ou foram diagnosticados com uma doença sexualmente transmissível nos últimos 6 meses;

b. homens ou mulheres heterossexuais que não usam preservativos regularmente nas relações sexuais com parceiros que desconhecem se têm HIV e estão em alto risco de contrair HIV, como por exemplo, parceiros usuário de drogas injetáveis ou parceiros bissexuais do sexo masculino.

Para mais informação acesse: http://article.wn.com/view/2014/05/15/CDC_Advises_Clinicians_To_Consider_PrEP_for_People_With_High/

 

WHOLogo_400x400

 

Em julho de 2014 foram divulgadas as medidas diretivas da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre o uso de PrEP, que recomenda o uso para as populações mais vulneráveis, entre elas os HSH. A OMS enfaticamente recomenda também que os países desenvolvam estudos de demonstração dessa estratégia de prevenção a fim de que possam ser identificados e adequadamente encaminhados os problemas para a implementação dessas estratégias em larga escala. Os dados produzidos a partir de estudos de demonstração como o PrEP Brasil irão subsidiar as ações para a introdução da Profilaxia Pré-Exposição nos programas de prevenção do HIV, tanto nos países de alta prevalência como nas epidemias concentradas como as que afetam os HSH em muitos países, assim como no Brasil.

 

 

Leia mais em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/128048/1/9789241507431_eng.pdf?ua=1

 

 

Material em PDF, acesse os links abaixo:

Manual de PrEP do Serviço de Saúde dos EUA: PrEP Provider Supplement 2014
Recomendações do International Antiviral Society 2014: HIV Prevention in Clinical Care Settings
Link para a Advocacia Global em Prevenção do HIV (AVAC – Global Advocacy for HIV prevention): http://www.avac.org/prevention-option/prep