É uma sigla que vem do inglês, que significa Profilaxia Pré-Exposição. A PrEP é a utilização de um medicamento para evitar que uma pessoa que não tem o HIV adquira a infecção quando se expõe ao vírus.

Até o presente, o medicamento que se mostrou mais eficaz na prevenção é o que combina dois antirretrovirais (tenofovir e emtricitabina) em um único comprimido, o Truvada. Hoje sabemos que, se a pessoa tomar o Truvada todos os dias, a proteção contra o HIV chega próximo de 100%. Contudo, o Truvada ainda não existe no Brasil.
Sim, ele é seguro. Várias pesquisas comprovaram que o Truvada é seguro para pessoas negativas para o HIV. Os efeitos colaterais são leves e transitórios. Isso foi verificado no principal estudo de prevenção para a população de homens gays e travestis (iPrEX), realizado em diversos países do mundo, inclusive no Brasil (INI/Fiocruz e USP). A segurança verificada foi uma condição para que o uso como prevenção fosse autorizado pelo FDA, órgão americano que se assemelha a nossa ANVISA.
Esse é um ponto muito importante a ser esclarecido. Na prevenção precisamos combinar métodos. É a combinação de métodos que permite alcançar o maior nível de proteção. O Truvada deve ser utilizado adicionalmente ao uso do preservativo. É uma proteção adicional. O Truvada, por exemplo, ao contrário da camisinha, não protege de outras infecções transmitidas pelo sexo, como a gonorreia e as hepatites, para citar apenas alguns exemplos. Por isso, o Truvada não deve ser usado como um substituto do preservativo e, sim, como um método adicional de prevenção do HIV para aquelas pessoas que apresentam um risco aumentado de adquirir a infecção.
O uso de truvada como PrEP não previne outras DSTs como sífilis, gonorreia e clamídia. Por isso é importante usar camisinha mesmo em uso de PrEP.
Uma das maneiras de conhecermos novas formas de prevenção e de tratamento é através de ensaios clínicos. Participando no estudo você estará ajudando a combater o avanço da epidemia de HIV no Brasil.
A Profilaxia pós-exposição (PEP), é dada a indivíduos após uma possível exposição ao HIV. Se administrada em até 3 dias da exposição ao HIV, a PEP já se mostrou capaz de reduzir o risco de infecção pelo HIV – porém não é uma substituta para outras estratégias de prevenção do HIV. Na Profilaxia pré-exposição (PrEP), um indivíduo toma um medicamento para o tratamento do HIV como prevenção à infecção. O único medicamento recomendado atualmente é o Truvada (1 comprimido por dia).
Não. O Truvada usado para PrEP não é injetável e não funciona da mesma forma que uma vacina. Atualmente não existem vacinas disponíveis para prevenir o HIV, apesar da luta incessante dos cientistas.
As relações anais sem camisinha. Quem recebe o pênis no ânus está sob risco maior de adquirir o HIV do que a pessoa que insere o pênis, mas as duas são práticas são de alto risco. O contato direto do líquido da ejaculação com o ânus aumenta ainda mais o risco.
Sim, é ultrapassado, pois o que deve ser considerado é o comportamento das pessoas e esse comportamento pode variar muito. Uma mesma pessoa pode ter períodos nos quais seu comportamento a coloca em maior risco e outros períodos nos quais ela corre pouco ou nenhum risco. É muito importante que a pessoa saiba muito bem o que a coloca em maior risco e o que a pode proteger quando essas situações acontecerem. Cada um de nós precisa ter um plano sobre o que fazer se uma situação dessas acontecer. Conhecimento sobre prevenção do HIV é fundamental para quem tem vida sexual ativa e esse conhecimento não pode ficar restrito ao meio acadêmico. Se as pessoas não se apropriarem do conhecimento gerado pela pesquisa, qual o valor da pesquisa? Os resultados das pesquisas precisam ser apresentados a população de forma simples e de fácil compreensão.
Se você tomar a PrEP diariamente, a presença do medicamento em sua corrente sanguínea poderá frequentemente impedir a infecção pelo HIV e a disseminação deste vírus pelo seu corpo. Se você não tomar o medicamento todos os dias, pode ser que você não tenha medicamento o suficiente no sangue para impedir a contaminação. A PrEP deve ser tomada diariamente para se obter a melhor proteção contra o HIV
De acordo com resultados do estudo IPrEX, o uso da Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) não envolve um risco significativo de resistência à medicação, caso ocorra uma infecção pelo HIV, mesmo se usada de forma inconsistente.
No estudo iPrEX não houve evidência de compensação de risco sexual. Os participantes que acreditavam estar recebendo Truvada® tinham mais parceiros sexuais antes de iniciar a medicação, sugerindo que o comportamento sexual de risco não era consequência do uso de PrEP.
A PrEP é apenas para pessoas que vivem constantemente em momentos de risco significativo de infecção pelo HIV. Para pessoas que precisam se prevenir da infecção pelo vírus HIV após um único evento de exposição de risco – tal como sexo sem proteção, compartilhamento de seringas/agulhas ou estupro. Para esses casos existe uma opção chamada de PEP, que deve ser iniciada em até 72 horas após a exposição de risco.
Sim, Para mulheres heterossexuais que não usam preservativos regularmente nas relações sexuais com parceiros que desconhecem se têm HIV e estão em alto risco de contrair HIV. Por exemplo: parceiro é usuário de drogas injetáveis ou parceiro é bissexual do sexo masculino
Você não terá de pagar nada para participar deste estudo.